Saltar para o conteúdo
  • Informação importante

    Caro cliente, quer usufruir de todas as funcionalidades incríveis da Monsieur Cuisine connect e receber receitas novas?

    A nossa recomendação: transfira agora a mais recente atualização do software. É fundamental instalar esta atualização antes da primeira utilização da máquina. Recomendamos expressamente esta atualização igualmente aos clientes já existentes. Encontra uma instrução mais pormenorizada sobre o procedimento aqui.

23.04.2021

É a época dele - Ruibarbo

AdobeStock_217909194d_kleiner_Magazin.jpg

O favorito primaveril

O ruibarbo é um daqueles alimentos típicos de que ou gostamos muito ou não gostamos de todo, como o espinafre. Muitos, especialmente na infância, acham a consistência e o sabor frutado e ácido algo que requer habituação. Contudo, os gostos mudam com o avançar da idade e para muitos o ruibarbo transforma-se num alimento primaveril favorito. E ainda que este favorito primaveril se apresente tão doce e frutado, trata-se mesmo de um legume. Por isso, não se admirem se percorrerem a secção de fruta no supermercado e não encontrarem ruibarbo. Espreitem então a secção de legumes, é capaz de estar lá escondido. ;-)
Porque é que o ruibarbo tem o sabor que tem? Qual é a sua origem? E o que é que posso, na verdade, fazer com ruibarbo? Compilámos e anotámos todas estas informações para vocês. :-)

Época e origem

A colheita do ruibarbo tem lugar entre abril e junho. Dependendo do tipo, os talos de ruibarbo só devem ser colhidos quando têm cerca de 25 cm e já possuem uma cor verde-avermelhada. Os talos já não devem ser então demasiado verdes. A última colheita deve ser celebrada juntamente com o réveillon dos espargos, a 24 de junho, depois disso o ruibarbo do campo fica demasiado ácido e o teor de ácido oxálico nele contido fica demasiado elevado.
Muita gente pode pensar que o ruibarbo é uma planta europeia. Mas não é bem assim. A planta é natural dos Himalaias, pelo que tem origem asiática. Ali começou por ser utilizada como planta medicinal, não fazendo parte da dieta. O ruibarbo chegou à Europa no século XVIII, através da Inglaterra. Hoje, a Alemanha e os Países Baixos são os maiores produtores de ruibarbo da Europa.

A que sabe mesmo o ruibarbo? E que parte da planta é comestível?

Na verdade, apenas os talos são adequados para comer, não as folhas. Os talos são muito aromáticos e sabem bem tanto ácidos como doces. Este sabor surge através dos ácidos de frutos contidos, como ácido cítrico, ácido málico e ácido oxálico. O sabor do ruibarbo também é influenciado pelo momento da colheita e depende, naturalmente, da variedade.
Tomem nota: Quanto mais cedo o colhermos, mais suave é o sabor do ruibarbo.
                      Os talos vermelhos são, geralmente, mais doces do que os talos verdes.

Mas, e em relação às folhas? Porque não as aproveitamos e comemos? O ruibarbo contém ácido oxálico, tal como, por exemplo, a beterraba vermelha. É sobretudo nas folhas que a concentração de ácido oxálico é muito elevada. O mito de que o ruibarbo é venenoso não é, portanto, completamente infundado. O ácido oxálico, em demasiada quantidade, pode desencadear sintomas de intoxicação no corpo humano e levar, por exemplo, a problemas no aparelho digestivo. Em combinação com o cálcio, o ácido oxálico rouba sais minerais importantes ao corpo, podendo assim atacar também o esmalte dos dentes. Sobretudo as pessoas que têm doenças renais ou sofrem de gota devem abdicar de alimentos ricos em ácido oxálico, como o ruibarbo ou a beterraba vermelha. Uma pessoa saudável teria de consumir uma quantidade extrema de talos e folhas de ruibarbo para sofrer de sintomas severos de intoxicação. Preparado corretamente, o ruibarbo é completamente seguro para uma pessoa saudável, e deveria absolutamente fazer parte da dieta entre abril e junho. O importante é não o consumir cru. Pode ser cozido, fervido e espremido, o que o torna não apenas digerível, mas também incrivelmente saudável. Este favorito primaveril é um legume vitalizante cheio de propriedades positivas fantásticas.

O ruibarbo é:

  • muito pobre em calorias, com 13 kcal/100 g
  • digestivo e eficaz contra obstruções
  • fortalecedor dos nervos e antidepressivo
  • uma proteção para o cabelo e retardador do surgimento dos cabelos brancos

Que variedades existem e qual é a diferença?

As variedades de ruibarbo podem ser divididas grosseiramente em ácidas, suaves e doces. As variedades de ruibarbo ácidas são verdes tanto por fora como por dentro. São consideradas mais frutuosas e também as variedades com o maior teor de ácido oxálico. As variedades mais populares de ruibarbos verdes são: «Golias», «Rosara» e «The Sutton». As variedades com polpa verde e casca vermelha são um pouco mais suaves. No entanto, são menos frutuosas do que as variedades puramente verdes.
Contudo, as mais apreciadas e preferidas pela maioria são: «Frambozen Rood», «Red Valentine» e «Holsteiner Blut». Os nomes já o revelam, trata-se das variedades de ruibarbo vermelho, nas quais tanto a polpa como a casca têm cor vermelha e nos trazem à língua um sabor predominantemente doce.

O que tenho de ter em atenção na compra e quanto tempo se conserva?

Quem não puder plantar ruibarbos no jardim tem de recorrer a talos do mercado semanal ou do supermercado. Em princípio, o fator decisivo na compra deve ser o próprio gosto. Se preferirem o ruibarbo ácido deitem a mão aos talos verdes. Se gostarem de mais suave e doce, devem levar os talos de ruibarbo vermelhos. Tal como nos espargos, os talos devem ser rijos e a área de corte na ponta do talo deve ser fresca e ainda não ter secado. Se os critérios forem cumpridos, podem comprá-los resolutamente, mesmo que só queiram confecionar os ruibarbos alguns dias depois. O ruibarbo é um legume robusto e não tem de ser preparado diretamente após a compra ou a colheita. Só é necessário envolver os talos num pano humedecido e colocá-los no frigorífico, dessa forma manter-se-ão frescos durante mais alguns dias.
O ruibarbo também pode ser comprado para guardar em stock, pois é fácil de congelar. Para tal só é preciso lavar os talos e embalá-los cortados em pedaços. Assim que precisarem do ruibarbo congelado, é só deixá-lo descongelar e depois confecioná-lo como habitualmente.

O que podem fazer com ruibarbo:

Já alguma vez comeram um prato salgado com ruibarbo? Provavelmente não, não é? O ruibarbo é um dos tipos de legumes que é exclusivamente preparado de forma doce. Especialmente conhecida dos tempos de infância é a compota de ruibarbo. Mas também se podem criar bolos, doces e até sumos magníficos a partir deste legume.
Bolos, tartes e bolos de tabuleiros são acompanhantes apreciados na mesa do café dominical. Os talos de ruibarbo não precisam de ser pré-cozidos para serem utilizados em artigos de pastelaria. Só têm de os lavar, cortar e libertar da pele fibrosa, e pronto. Através da cozedura no forno o ruibarbo fica cozinhado e digerível.
Como é óbvio, reunimos para vocês algumas receitas fantásticas com ruibarbo para o vosso Monsieur Cuisine e desejamos-vos que se divirtam muito com este legume doce. Bom apetite.

© © NGV mbH, Foto: TLC Fotostudio
Guardar
Receita de
Monsieur Cuisine
Geleia de ruibarbo
MC plus
6 frascos
médio
Pronto em: 1:00 Std.
Geleia de ruibarbo
© © NGV mbH, Foto: Rafael Pranschke, Lukas Kotremba, Mülheim an der Ruhr
Olá, esta é uma receita de CookingPilot!
Guardar
Tarte de ruibarbo e arroz-doce
MC connect
1 tarte
fácil
Pronto em: 1:45 Std.
Tarte de ruibarbo e arroz-doce
© © NGV mbH, Foto: Rafael Pranschke, Lukas Kotremba, Mülheim an der Ruhr
Olá, esta é uma receita de CookingPilot!
Guardar
Muesli de ruibarbo com iogurte e mel
MC connect
4 doses
fácil
Pronto em: 0:40 Std.
Muesli de ruibarbo com iogurte e mel